Resenha - A garota no gelo

A garota no gelo, Robert Bryndza
Editora: Gutenberg, 2016




#Sinopse: 

 Seus olhos estão arregalados… Seus lábios estão entreabertos… Seu corpo está congelado… Mas ela não é a única.

 Quando um jovem rapaz encontra o corpo de uma mulher debaixo de uma grossa placa de gelo em um parque ao sul de Londres, a detetive Erika Foster é chamada para liderar a investigação de assassinato.
 A vítima, uma jovem e bela socialite, parecia ter a vida perfeita. Mas quando Erika começa a cavar mais fundo, vai ligando os pontos entre esse crime e a morte de três prostitutas, todas encontradas estranguladas, com as mãos amarradas, em águas geladas nos arredores de Londres.
 Que segredos obscuros a garota no gelo esconde? Quanto mais Erika está perto de descobrir a verdade, mais o assassino se aproxima dela.
 Com a carreira pendurada por um fio depois da morte de seu marido em sua última investigação, Erika deve agora confrontar seus próprios demônios, bem como um assassino mais letal do que qualquer outro que já enfrentou antes.



"A chuva tinha ficado torrencial, urrava nas copas das árvores e transformava a trilha barrenta em um borrão branco. Trovões ressoavam, e relâmpagos iluminavam Barbora pendurada com os olhos abertos e a pele ao redor do pescoço dobrada pela corda debaixo do queixo."


#Opinião: 

 Então, como uma grande apaixonada pelos romances policiais que sou, digo que achei A garota no gelo um livro bom. É o primeiro romance policial escrito por Robert Bryndza e pelo que pude ver ao final do livro, a detetive Foster vai voltar. 

 O livro nos conta a história da detetive Erika Foster que após um tempo fora de ação volta para desvendar o mistério da morte de Andrea, filha de um magnata. Como esse, penso eu, é o primeiro livro de uma série ou trilogia, vejo que o autor nos apresentou a personagem principal mais do que propriamente focou no mistério. Vemos Erika precisando provar para si, para seu chefe e companheiros que ainda é capaz, mesmo depois de tudo pelo que passou. 

 Mas o mistério é muito bom também. A motivação do assassino acredito que deixou a desejar, mas até descobrirmos o assassino, é uma ótima leitura. Onde nos vemos querendo junto à Erika desvendar. Pra ser um ótimo livro, ainda faltou. É um começo bem promissor para esse autor que tem uma escrita envolvente e que flui de forma fácil. Com os capítulos curtos, da maneira que eu mais aprecio que seja, pois assim a narrativa, ao menos comigo, se dá de maneira muito mais fácil. 

 O livro não deixa de ser uma boa pedida. Vale a pena conferir por si mesmo esse mistério. 
E gente preciso comentar sobre a fofura que o autor é com os leitores e blogueiros literários ao final do livro. Estamos nos agradecimentos! 😍 Que contente me senti...

 Fica aqui mais essa recomendação de leitura para vocês.

Beijinhos da Beta 

Conhecendo Nicholas Sparks


 Obviamente, Nicholas Sparks não necessita de grandes apresentações, mas muitas vezes os leitores conhecem seus livros porém não muito sobre quem os escreve. Nicholas Charles Sparks nasceu em Omaha nos Estados Unidos em 31 de dezembro de 1965. Além de escritor, também atua como roteirista e produtor. 
 Filho do meio de três irmãos, tendo Michael como o mais velho e Danielle a mais nova, que infelizmente faleceu aos 33 anos de idade por decorrência de um tumor no cérebro. Danielle serviu de inspiração ao irmão em seu livro Um amor para recordar escrito em 1999, ganhando adaptação para o cinema em 2002 sendo um grande sucesso.
 Quando ainda cursava a faculdade, escreveu seu primeiro romance não sendo nunca publicado. Após se formar e sem ter onde trabalhar, passou os três anos seguintes em diversos tipos de empregos como avaliador imobiliário, garçom, vendedor odontológico e por aí vai...
 Uma agente literária ao ler o manuscrito de The notebook (Diário de uma paixão), se ofereceu como sua representante. Em 1995 ele conseguiu então, um adiantamento de 1 milhão de dólares por The notebook e o romance foi publicado em 1996, entrando na lista de best-sellers da New York Times na sua primeira semana de lançamento. A partir de então ele escreveu diversos romances de sucesso mundial.



  Particularmente, eu não sou das mais apaixonadas pelos livros de Sparks, mas nas telonas suas adaptações me fazem chorar litros e mais litros. Porém, entretanto, todavia alguns dos seus livros chegaram a me emocionar e o Diário de uma paixão é meu favorito dos livros dele que já li. Nicholas tem emocionado muita gente por aí, então se quiser também se emocionar e se apaixonar, fica aí essa dica de leitor.


"Meu objetivo é, simplesmente, escrever o melhor romance que eu puder, um que qualquer pessoa – homem ou mulher – possa desfrutar." , em entrevista para a revista Todateen


Beijinhos da Beta!

Resenha Bonequinha de Luxo

Bonequinha de luxo, Truman Capote
Companhia das Letras, 2005












 Sinopse:
 Em Bonequinha de Luxo, novela de 1958, escrita com mão levíssima, o escritor norte-americano Truman Capote acompanha as estrepolias de Holly Golightly, a jovem que escapa da vida besta do interior para tentar a sorte na Nova York dos anos da Segunda Guerra. Moça de hábitos e horários nada ortodoxos, Holly põe em polvorosa uma galeria de personagens que vai de um mafioso preso a um escritor inédito, passando por um fotógrafo japonês, uma modelo gaga e uma cantora rouca – para não falar de um certo diplomata brasileiro. Tudo isso sem abandonar a visão de uma vida de luxo, calma e volúpia, se possível bem longe do Texas e bem perto da joalheria Tiffany’s. 

Celebrizada nas telas de cinema por Audrey Hepburn no filme homônimo de Blake Edwards, Holly é uma das criações mais felizes de Capote, mistura inextricável de ninfa diáfana e moça roçuda, tão viva e sedutora hoje como quase meio século atrás.



"Perguntei se já roubara muitas vezes. 'Eu costumava roubar', ela respondeu. 'Quer dizer, eu precisava roubar. Quando queria alguma coisa. Mas ainda faço isso de vez em quando, meio que para manter a mão treinada.' Continuamos com as máscaras até chegar em casa."



Opinião: 

 Pra começar a falar desse livro preciso dizer que eu não assisti ao filme antes de ler, então não sabia muito o que estava por vir. O livro de Capote não conta só com a história Bonequinha de luxo, há mais Uma casa de flores, Um violão de diamante e Memória de Natal. São contos, sendo o de Holly Golightly o conto mais longo e de maior fama por conta da sua versão cinemátografica. 

 O livro é narrado por Paul Varjak um escritor que almeja uma carreira mais promissora. Em seu prédio ele acaba encontrando e conhecendo Holly, uma mocinha de dezenove anos que veio do interior atrás de uma vida mais luxuosa e glamorosa que só a cidade grande pode lhe dar. No prédio onde mora a presença da moça não é vista com bons olhos por todos. O comportamento da jovem sugere uma vida não muito moral naquela época. Ela é uma companhia de luxo e cada dia é acompanhada por um homem diferente. 

 Com Paul ela acaba fazendo uma amizade inesperada, mas nem mesmo ele é capaz de entender os mistérios que cercam a vida dessa mulher. Cada história e cada pessoa que a cerca deixa a cabeça de Paul mais confusa quanto à esse espírito impulsivo que é Holly.

 A narrativa do drama é muito boa e transcorre de forma clara. Os personagens de Capote são muito bem construídos e envolventes. Além da novela Bonequinha de luxo que tem grande fama, os outros contos de Truman são excelentes leituras e passam sempre ao fim uma mensagem que nos faz refletir. Esse foi o primeiro livro do autor que li e espero em breve ler outros. 






"Não se preocupe: sempre arraso quando o negócio é chocar."






 É um livro curto e de leitura rápida. Vale a pena conferir a vida de Holly que é polêmica para a época em que foi escrita. Então fica aqui mais essa dica de leitura pra vocês, leitores... 






"Essas semanas finais, entre o fim do verão e o começo do outono, se embaçam na memória, talvez porque nossa compreensão mútua tivesse atingido aquela doce profundidade em que duas pessoas se comunicam em silêncio do que com palavras: uma calma afetuosa toma o lugar das tensões, do falatório e da brigalhada sem fim que produzem os momentos mais vistosos, mais superficialmente dramáticos de uma amizade."



Beijinhos da Beta ;) 

Assassinato no Expresso Oriente


 Oi, olá, tudo bom? Eu sei que muitos de vocês já devem saber que o romance de Agatha Christie, Assassinato no Expresso Oriente, vai ter mais uma adaptação para as telonas. A primeira versão do cinema foi lançada em 1974, resultando até em Oscar para melhor atriz e mais cinco indicações. 

 Essa segunda adaptação com roteiro adaptado por Michael Green com direção de Kenneth Branagh, que além de dirigir também vai atuar, tem grandes nomes do cinema como Penélope Cruz, Johnny Deep, Williem Defoe, Michelle Pfeiffer, entre outros.

 Sinopse do livro: Nada menos que um telegrama aguarda Hercule Poirot na recepção do hotel em que se hospedaria, na Turquia, requisitando seu retorno imediato a Londres. O detetive belga, então, embarca às pressas no Expresso do Oriente, inesperadamente lotado para aquela época do ano.

O trem expresso, porém, é detido a meio caminho da Iugoslávia por uma forte nevasca, e um passageiro com muitos inimigos é brutalmente assassinado durante a madrugada. Caberá a Poirot descobrir quem entre os passageiros teria sido capaz de tamanha atrocidade, antes que o criminoso volte a atacar ou escape de suas mãos.


Assista ao primeiro trailer do filme que tem previsão de estreia para novembro aqui no Brasil:



Resenha - O legado da Ruína. Vol. 1 - Lobo e Gelo

O legado da ruína, William Tannure
Editora Chiado, 2017


#SINOPSE:
Em um mundo entre tantos, o Império de Yxor dominava toda a terra conhecida pelo homem. Seu poderio com exércitos vastos e legiões de magos sempre assegurou o controle sobre os reinos subordinados a ele.

Sob o comando de Rognam, um herói que surgiu em tempos obscuros e devolveu a esperança aos homens, o Império yxoriano cresceu e se expandiu até que todos os homens se ajoelhassem perante o imperador-deus.

Um casamento foi celebrado entre ele e a herdeira do maior dos rebeldes, a filha de Sirar, o Leão, regente da nação sulista de DacMeth, com o intuito de unificar aqueles que um dia foram inimigos e de trazer a prosperidade acompanhada de paz.

Dessa união três crianças nasceram, três príncipes de personalidade e objetivo diferentes. Regnar, o mais velho e herdeiro do trono, luta contra as vontades irrecusáveis de seu pai para tentar seguir seu caminho. Arcaedas, um feiticeiro tamanhamente talentoso, quanto arrogante, assolado por uma enfermidade que o privou do sentido da visão. Syric, o mais novo, um rapaz confuso, com o presente e o futuro envoltos em dúvidas e mistérios.

Cada um parte em sua jornada pessoal, motivados por ambições e vontades particulares.

Mas a suposta prosperidade no Império é fraca. Enquanto Yxor julga ter controle sobre os reinos conquistados, seus monarcas indignados pela opressão duradoura tramam silenciosamente a queda do Imperador e da unidade conquistada por ele. E, nas sombras mais densas um ser sinistro de tempos imemoriais espreita, pacientemente, tecendo planos macabros e aguardando seu momento de revelação.



#OPINIÃO:
 Lobo e gelo é o primeiro livro da série O legado da ruína e é ambientada no império de Yxor que a partir do momento em que o imperador Rogman ganhou uma batalha contra o monstro de gelo, tem domínio por toda a Geoplaca Central. O imperador já foi um grande guerreiro e herói, porém com o passar dos anos acabou se tornando amargura e um tirano, tanto com o seu povo quanto com sua família. 

 Junto com a imperatriz, Merlain, constrói uma família com três filhos. Regnar, o mais velho. As expectativas do imperador quanto à seu primogênito são altas, mas não realizadas. O menino é imposto a aprender feitiçaria, mas seus dotes como mago não são bons e assim ele obtém o desprezo do próprio pai. Arcaedas, o filho do meio, também é obrigado a seguir o caminho da magia e apesar da cegueira que lhe assoma desde o nascimento, os dotes desse filho são grandiosos e assim ele supera até mesmo seu irmão mais velho. Como o filho caçula ainda é muito jovem ainda não pôde ser inserido nos treinamentos, não fazendo parte da rivalidade que se acirra entre os outros dois irmãos. 

 O tempo passa e Galdras, o mago de maior poder dentro do império ajuda Regnar a descobrir o seu ponto forte, mostrando assim ao menino que o Império de Yxor é apenas uma pequena parcela de todos os mundos que existem. Com isso, Regnar não se sente mais tão pequeno frente à seu irmão mais novo. Cada vez mais os irmãos não se dão bem. As personalidades de ambos é bem distinta e os poderes que têm também. 

 Os anos passam e o reino de Yxor é ameaçado de muitas maneiras. São mistérios que rodeiam e nem se percebe. 






"- Haverá um dia, meu filho,- continuou Merlain.- que eu não estarei mais aqui, seja pela idade ou por infortúnios da vida, ou seja, pela vontade de Varhod, o deus todo-poderoso do Pináculo Sagrado. Antes que este dia chegue, porém, você deve aprender que a única pessoa que deve acreditar em você é somente você mesmo, e mais ninguém. Prometa para mim que fará isso."

 Preciso comentar que as ficções fantásticas não são uma leitura que eu costuma fazer normalmente. Nem toda leitura desse gênero e afins consegue me prender, mas esse livro conseguiu isso e muito bem. Apesar de Yxor e do imperador Rogman serem ficcionais, eu muitas vezes pensava que isso podia muito bem estar se passando nos dias de hoje, onde a opressão acontece mesmo que de forma sútil. Eu fico pensando em como surgiu tantos personagens e tantos mundos e planos na cabeça desse autor. Eram tantos nomes que ás vezes precisava recorrer ao glossário (que achei genial) no fim do livro. Tive um pouco de dificuldade com os nomes talvez por não ter o costume desse tipo de leitura. O livro apesar de ter muitas páginas transcorre com leveza, pelo menos assim transcorreu comigo. Os mistérios revelados fazem com que o livro não seja de forma alguma monótono. 
   

Quer saber mais sobre o livro e também conhecer seu autor? Fica aqui o perfil no Instagram e no Facebook.

 Deixo aqui também meu agradecimento ao autor pela confiança e por todo carinho ;)


Beijinhos da Beta

Resenha - Objetos Cortantes

Objetos cortantes, Gillian Flynn
Editora Intrínseca, 2015




 Camille Preaker deixou a cidade de Wind Gap há muitos anos. Atualmente atuando como repórter do Daily News de Chicago. O assassinato de duas garotinhas em Wind Gap chama a atenção do seu chefe e por pensar que seria mais fácil para alguém que viveu lá cobrir a matéria, ele a manda de volta pra casa. 


 Camille tem problemas com a família, desde que sua irmã Marian faleceu. A mãe de Camille é uma mulher difícil e a menina desde a infância nunca se sentiu amada. Logo que pode, então ela se mudou.
 De volta à cidade, ela pede pra ficar na casa da família, onde vivem a mãe, Alan, o padrasto e sua irmã caçula, Amma, quem ela mal conhece. 

 Camille se acha uma jornalista mediana e ser da cidade, que é uma cidade pequena, ao invés de facilitar a vida dela, acaba não colaborando muito. Ela acaba se envolvendo com Richard, o detetive encarregado do caso, que também veio de outra cidade. Eles acabam trocando informações sobre o caso, cada um querendo cumprir o seu objeto ali. O caso é que duas garotinhas ficaram desaparecidas e dias depois os corpos são encontrados. Os corpos foram cuidados, limpos e tiverem todos os dentes da boca arrancados. O único traço em comum entre as garotas mortas é que elas eram tidas como "estranhas", nada de garotas populares por aqui.

 Falando de garotas populares, entre elas, se acha Amma, a irmã caçula que na frente da mãe é uma e por trás é outra bem diferente. Amma é uma garota bem peculiar, percebemos durante a leitura. A relação da família com Camille é estranha. 

 Alguns personagens são os suspeitos mais evidentes. O pai de uma delas ou o irmão de outra? Há uma testemunha, um garotinho que diz que uma das garotas foi levada por uma mulher. Será? 



"Odiei lembrar à minha mãe que essa era a natureza de uma menina morimbunda e confusa de dez anos. Por que me dar o trabalho? É impossível competir com os mortos. Eu gostaria de conseguir parar de tentar."

 Além de estar cobrindo esses casos, lidando com conhecidos que não gostam tanto assim de sua presença, estando no meio de uma família com sérios problemas, Camille ainda por cima foi e é assombrada pelo fantasma da irmã morta. Após a morte da irmã e em consequência do temperamento da mãe, Camille se corta. Mas não são os cortes comuns que sabemos que quem sofre de depressão e transtornos mentais fazem. Ela escreve em seu corpo com lâminas. O corpo sendo praticamente todo "escrito". Problemas com álcool também rondam e essa volta aos fantasmas pode não ser nada boa em relação à isso. 

 O livro tem uma leitura que flui como água e os mistérios da narrativa vão aumentando conforme o decorrer da história. Além do serial killer (?), ficamos tentando solucionar os mistérios que envolvem a família dramática. Um suspense envolvente que te prende do início ao fim. Mais um dos livros de Gillian Flynn que super lhes recomendo. Vale a pena conferir!


"Eu estou aqui, falei, e essas palavras pareceram chocantemente confortantes. Quando entro em pânico eu as digo a mim mesma em voz alta. Eu estou aqui. Não costumo sentir que estou. Sinto como se uma rajada de vento quente pudesse soprar em minha direção e me fazer desaparecer para sempre, nenhuma ponta de unha deixada  para trás. Alguns dias acho essa ideia reconfortante; em outros, ela me dá arrepios."

Beijinhos da Beta




Livros com temática LBGT

 Oi, oi, oi! Como vocês sabem no dia 28 de junho é comemorado o dia do orgulho LGBT.
Então, hoje eu trago pra vocês uma listinha de livros que eu já li que tem algo relacionado ao universo LGBT...






1. Simon vs. a agenda homo sapiens: 

 Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte. 


 Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos. Pior: sua relação com Blue poderá chegar ao fim, antes mesmo de começar. 

Agora, o adolescente avesso a mudanças precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu.

 Uma história que trata com naturalidade e bom humor de questões delicadas, explorando a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e os dilemas pelos quais todos nós, adolescentes ou não, precisamos enfrentar para nos encontrarmos.


2. Will & Will

 Em uma noite fria, numa improvável esquina de Chicago, Will Grayson encontra... Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome. E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções. O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio.


3. Os dois mundos de Astrid Jones

 'O movimento é impossível.' É o que Astrid Jones, 17 anos, aprendeu na sua aula de filosofia. E, vivendo na pequena cidade em que mora, ela começa a acreditar que isso é mesmo verdade. São sempre as mesmas pessoas, as mesmas fofocas, a mesma visão de mundo limitada, como se estivessem todos presos em uma caverna, nunca enxergando nada além.
 Nesse ambiente, ela não tem com quem desabafar suas angústias, e por isso deita-se em seu jardim, olha os aviões no céu, e expõe suas dúvidas mais secretas aos passageiros, já que eles nunca irão julgá-la. Em seu conflito solitário, ela se vê dividida entre dois mundos: um em que é livre para ser quem é de verdade e dar vazão ao que vai em seu íntimo, e outro em que precisa se enquadrar desconfortavelmente em convenções sociais. 
 Em um retrato original de uma garota que luta para se libertar de definições ultrapassadas, este livro leva os leitores a questionarem tudo e oferece esperança para aqueles que nunca deixarão de buscar o significado do amor verdadeiro.


4. A garota dinamarquesa 

 Inspirado em uma história real, este romance inquietante, narrado com elegância e sutileza únicas, apresenta uma trama ousada que transcende os limites de sexo, gênero e localização histórica. A prosa rica e o discurso emocionado transformam esta obra numa história de amor poderosa, que marcará para sempre a vida do leitor.


5. As vantagens de ser invísivel

 Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras - são apenas através delas que Charlie compartilha todo o seu mundinho com o leitor. Enveredando pelo universo dos primeiros encontros, dramas familiares, novos amigos, sexo, drogas e daquela música perfeita que nos faz sentir infinito, o roteirista Stephen Chbosky lança luz sobre o amadurecimento no ambiente da escola, um local por vezes opressor e sinônimo de ameaça. Uma leitura que deixa visível os problemas e crises próprios da juventude.


6. Dois garotos se beijando

 Do mesmo autor do best-seller Will & Will e Todo dia. Do lado de fora da escola, ao ar livre, rodeados por câmeras e por uma multidão que, em parte apoia e em parte repudia o que estão fazendo, Craig e Harry estão tentando quebrar o recorde mundial do beijo mais longo. Craig e Harry não são mais um casal, mas já foram um dia. Peter e Neil são um casal. Seus beijos são diferentes. Avery acaba de conhecer Ryan e precisa decidir sobre como contar para ele que é transexual, mas está com medo de não ser aceito depois disso. 
 Cooper está sozinho. Passa suas noites em claro, no computador, criando vidas falsas online e seduzindo homens que jamais conhecerá na vida real. Mas quando seus pais descobrem seu passatempo proibido, o mundo dele desaba. Cada um desses meninos tem uma situação diferente. Alguns contam com o apoio incondicional da família, outros não. Alguns sofrem com o bullying na escola, outros, com o coração partido. 


Mas bem no centro de todas essas histórias paralelas está o amor. E, através dele, a coragem para lutar por um mundo onde esse sentimento nunca seja sinônimo de tabu.



💚   💛   💜  💓  💙





Os cinco primeiros eu li e o último eu quero muito ler e assim que der ele vai ser lido.
Pra quem tiver interesse, deixo essas minhas dicas de livros.


Beijinhos da Beta

Uma trilogia amorzinho

 Olá, pessoal! Hoje venho lhes indicar uma trilogia que é puro amor e que apesar dos clichês (tá, às vezes eu gosto de ler clichês de amor) soube me cativar. Eu nunca fui uma grande amante de romances, mas fui aprendendo a gostar desse tipo de leitura ao longo dos anos. 
 Quando li Anna e o beijo francês eu não sabia que se tratava de uma trilogia, mas são aqueles tipos de trilogias que se ler fora de ordem, ainda assim é possível acompanhar sem maiores problemas. Cada um dos três livros vai falar sobre personagens diferentes, que aparecem e permeiam a trilogia. O enfoque de cada livro cai em cima de personagens de uma menina por vez e claro, em seu par romântico...



#Anna e o beijo francês

Anna Oliphant tem grandes planos para seu último ano em Atlanta: sair com sua melhor amiga, Bridgette, e flertar com seus colegas no Midtown Royal 14 multiplex. Então ela não fica muito feliz quando o pai a envia para um internato em Paris. No entanto, as coisas começam a melhorar quando ela conhece Étienne St. Clair, um lindo garoto — que tem namorada. Ele e Anna se tornam amigos próximos e as coisas ficam infinitamente mais complicadas. Anna vai conseguir um beijo francês? Ou algumas coisas não estão destinadas a acontecer?



#Lola e o garoto da casa ao lado

 A designer-revelação Lola Nolan não acredita em moda… ela acredita em trajes. Quanto mais expressiva for a roupa — mais brilhante, mais divertida, mais selvagem — melhor. Mas apesar de o estilo de Lola ser ultrajante, ela é uma filha e amiga dedicada com grandes planos para o futuro. E tudo está muito perfeito (até mesmo com seu namorado roqueiro gostoso) até os gêmeos Bell, Calliope e Cricket, voltarem ao seu bairro.
Quando Cricket — um inventor habilidoso — sai da sombra de sua irmã gêmea e volta para a vida de Lola, ela finalmente precisa conciliar uma vida de sentimentos pelo garoto da porta ao lado.


#Isla e o final feliz

 Tímida e romântica, Isla tem uma queda pelo introspectivo Josh desde o primeiro ano na SOAP, uma escola americana em Paris. Mas sua timidez nunca permitiu que ela trocasse mais do que uma ou duas palavras com ele, quando muito.
Depois de um encontro inesperado em Nova York durante as férias envolvendo sisos retirados e uma quantidade considerável de analgésicos, os dois se aproximam, e o sonho de Isla finalmente se torna realidade. Prestes a se formarem no ensino médio, agora eles terão que enfrentar muitos desafios se quiserem continuar juntos, incluindo dramas familiares, dúvidas quanto ao futuro e a possibilidade cada vez maior de seguirem caminhos diferentes.
Com participações de Anna, Étienne, Lola e Cricket, personagens mais do que queridos pelo público apresentados em livros anteriores da autora, Isla e o final feliz é uma história de amor delicada, apaixonante e sedutora, um desfecho que vai fazer os fãs de Stephanie Perkins suspirarem ainda mais.


 São estes os três livros que fizeram da autora Stephanie Perkins um sucesso com os jovens. Coloquei eles na ordem certinha pra quem tiver interesse em ler. Se procura por romance de leitura fácil e que te envolve, fica a dica pra vocês. 

 Beijinhos da Beta 

Resenha - O menino no alto da montanha

O menino no alto da montanha, John Boyne
Editora Seguinte, 2016










 Pierrot é um garotinho francês de apenas 9 anos de idade. Ele vive em Paris com sua mãe que também é francesa e com seu pai que é alemão. A época é alguns anos após a Grande Guerra e o pai do garoto foi um dos soldados que foram à batalha. Após ver todas as desgraças ocorridas na guerra, o pai do garoto sofre as consequências e vive transtornado e se afogando na bebida. Depois de uma briga, onde até agrediu a mãe do menino, ele sai de casa e não volta. Dias depois chega a notícia de que ele morreu, atropelado por um trem. A mãe e o garoto passam apertados, mas conseguem viver. Mas devido a uma doença, o garotinho Pierrot, perde também a mãe e acaba órfão. 

 Anshel é de família judia e grande amigo de Pierrot. Ele é surdo mudo e entre eles a conversa é por língua de sinais. A mãe de Anshel acolhe o melhor amigo de seu filho durante um tempo, mas pelo fato do garoto ser filho de alemão, a situação fica estranha, pois eles vivem na iminência da Segunda Guerra. Com isso Pierrot vai parar em um orfanato, onde também permanece pouco tempo pois recebe a carta da irmão de seu, Beatrix lhe pedindo para morar com ela na Alemanha. O menino parte. A tia é a governanta de uma mansão, então o menino precisa seguir regras para jamais incomodar o senhor da casa, que é simplesmente Adolf Hitler. 



"— Também não gosto — disse Papa, baixinho. — Mas, às vezes, é como se uma nuvem escura me cobrisse, e não consigo fazê-la ir embora. É por isso que bebo. Ajuda a esquecer.
— A esquecer o quê?
— A guerra. As coisas que vi. — Ele fechou os olhos e sussurrou. — As coisas que fiz."

 Vocês imaginam uma criança "criada" por Hitler? Pois é basicamente por isso que Pierrot passa. Assim que chega na casa do alto da montanha sua tia lhe avisa que deve começar a ser chamado de Pieter, o senhor não pode jamais saber sobre a amizade que tinha com Anshel e seu nome característico da França também tinha que desaparecer por lá. Pierrot não entende bem o porquê de tudo isso, mas segue os conselhos da tia.


 Com o passar do tempo, a cada vez que Hitler vai à casa ele passa um grande tempo com o garoto e assim acaba por influenciar a cabeça do menino com as suas ideias. Pieter, se guia pelo senhor até porque seu pai como alemão, sempre sofreu muito por haverem perdido a Grande Guerra e por se sentir diminuído pelos outros povos. Pieter cada dia mais vai se parecendo com o nazista e assim de menino doce, ele vai à garoto autoritário e ingrato. 

 O que será que vai acontecer com esse garoto? Ele vai realmente se deixar levar sem questionar os pensamentos de Hitler? Vai lutar durante a Segunda Guerra? 
 Esse livro é de uma narrativa fácil e vemos tudo através do ponto de vista de Pierrot. Eu senti uma mistura de sentimentos ao ler essa história. Simples e emocionante. John Boyne soube criar uma história nova em meio a tantas que estão por aí que tem como pano de fundo a Segunda Guerra. Amamos e odiamos Pierrot e no fim... No fim vai descobrir quem ler, porque eu não irei contar hahaha Enfim, eu lhes recomendo muito esse livro ;)



"Ele se deu conta de que não era mais francês. Tampouco Alemão. Não era nada. Não tinha lar nem família - e não merecia nenhum dos dois."


Beijinhos da Beta

Conhecendo Markus Zusak


 Oi, oi, oi... Vamos conhecer melhor mais um autor? Vocês certamente já viram falar sobre Markus Zusak e se não viram falar dele, ouviram falar de A menina que roubava livros, não é mesmo? Esse livro se tornou um grande sucesso nas livrarias e também na adaptação para o cinema. 
 Markus Frank Zusak nasceu em Sidney na Austrália em 23 de junho de 1975, de mãe alemã e pai austríaco é o filho mais novo de 4 irmãos.

 O primeiro livro do autor, O azarão, levou sete anos para ser publicado. Em 2002 com O mensageiro, ganhou o prêmio de livro do ano no CBC (prêmio australiano). Em 2005, veio o seu livro de maior sucesso A menina que roubava livros, que atualmente já foi traduzido para mais de 40 idiomas. Com esse livro, além de prêmios australianos, Zusak conquistou prêmios pelo mundo. Pelos críticos literários ele foi batizado de "fenômeno literário". Recebeu prêmio por quatro de seus livros para jovens. 





"Nós temos essas imagens das marchas em fila de garotos e dos 'Heil Hitlers' e essa ideia de que todos na Alemanha estavam nisso juntos. Mas ainda havia crianças rebeldes e pessoas que não seguiam as regras e pessoas que esconderam judeus e outras pessoas em suas casas. Então eis outro lado da Alemanha Nazista" , Zusak em entrevista para The Sydney Morning Herald


 Eu descobri esse autor na biblioteca pública de uma cidade em que morei. Passava sempre pelo livro A menina que roubava livros e ficava extremamente curiosa, até que um dia resolvi que o levaria pra casa e tiraria a curiosidade. E que grata surpresa! Sou muito suspeita para comentar sobre esse título porque eu o amei e o amo demais. Me fez chorar litros, sem figura de linguagem haha Um livro escrito de forma diferente daquela que eu tava acostumada e ver a morte narrando também é bem legal de se ler.
 Se não me engano, aqui no Brasil ele tem cinco livros lançados. Dentre estes, já tive a oportunidade de ler três e além da história da ladra de livros, eu gosto muito de A garota que eu quero, é um livro para jovens, mas a leitura pra mim foi leve e fácil, o que me agrada e muito.

 Enfim, espero que quem ainda não o conheça, resolva conhecer. Somente lendo sabemos se nos agrada ou não. Provavelmente você verá por aí várias opiniões distintas acerca do autor e de seus livros, mas confira por si mesmo, fechado?

Beijinhos da Beta 

Skoob

Topo